Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Letra de Forma

"A crítica deve ser parcial, política e apaixonada." Baudelaire

Letra de Forma

"A crítica deve ser parcial, política e apaixonada." Baudelaire

Herbie Hancock - II

 

 

 

Herbie Hancock
Cool Jazz Festival, Oeiras, 6 de Julho
 
 
Foi a abertura do “Cool Jazz Festival”, designação algo “trendy” para um evento eclético que está longe de ser só de jazz. Mas na segunda-feira, no Jardim do Palácio Marquês de Pombal em Oeiras, a noite estava bem “cool” e esse foi o primeiro facto assinalado por Herbie Hancock. O contratempo não foi de somenos porque a temperatura por certo influiu nas condições de recepção. Mas a música foi assinalavelmente “hot”.
 
Uma vez mais ainda, Hancock primou pelo inesperado. A presente digressão intitula-se “The River of Possibilities Tour”, remetendo portanto para os dois últimos álbuns do pianista, ambos predominantemente vocalizados. Ora, os temas cantados foram poucos. Em vez disso, Hancock retomou em grande parte as configurações de Head Hunters, o seu célebre disco de jazz-rock de inícios dos anos 70, e alguns dos mais emblemáticos temas da sua longa trajectória, como “Actual Proof”, “Watermelon Man”, “Cantaloupe Island” e “Chameleon”.
 
Em relação a River, a formação apresentava uma diferença: Chris Potter em vez de Wayne Shorter, acarretando desde logo uma diferença de sonoridades, pois que enquanto no disco Shorter usa sobretudo o sax-soprano, Potter optou pelo alto e o tenor.
 
Surpresa mesmo foi ouvir ao fim de muito tempo (18 anos, disse Hancock) Holland tocar baixo eléctrico. Mas se se poderia deduzir, por razões de sobra, que o predomínio foi electrificado, quer Dave Holland quer o próprio Hancock tiveram os seus momentos mais inventivos, e de que modo, no uso dos instrumentos acústicos.
 
Foi o concerto de uma formação notável, com um Chris Potter muito inspirado, e o percussionista Vinnie Colaiuta e ainda mais o guitarrista Lionel Loucke (natural do Benim) a revelarem as suas capacidades bem mais que disco.
 
 
A noite estava de facto fria, mas o surpreendente Hancock e um grande quinteto (pouco importaram as duas vocalistas, embora não desiludissem) tornaram-na numa miríade de cores, de anima “funky”. E assim Herbie Hancock foi de novo inesperado.